Presidente do IIEDE, à Zero Hora: “O Brasil não é uma republiqueta”

Presidente do IIEDE, à Zero Hora: “O Brasil não é uma republiqueta”

Artigos, Notícias
Houve quem tentasse minar a credibilidade do país no Exterior, mas a tese não vingou. O Brasil vive uma crise sem precedentes. Muitas empresas estão sendo alvejadas pela Lava-Jato. Há milhões de pessoas afetadas pelo desemprego, talvez em decorrência de fórmulas econômicas que não funcionaram nos últimos anos. Nosso país enfrenta a pior crise já registrada após um boom econômico, se considerarmos que em 2010 houve o maior crescimento do seu PIB em 20 anos, em 7,5%. O problema não é apenas econômico, mas de redefinição de paradigmas. Na medicina, a palavra "crise" define o momento da evolução de uma doença para a cura ou para a morte. Na economia, seria a fase de transição entre um surto de prosperidade e outro de depressão, ou vice-versa. A Lava-Jato desvendou uma…
Read More
Desembargador Ney Bello: “Um fantasma bate à nossa porta”

Desembargador Ney Bello: “Um fantasma bate à nossa porta”

Artigos, Notícias
O mundo tornou-se um Lugar estranho! O Brasil tornou-se um lugar estranho! Ou talvez sempre tenha sido assim e, de tempos em tempos, Hades saia do subterrâneo esquecido para rondar a terra e espalhar o mal. Já não falo nem mesmo do inusitado fato de um neonazista palestrar em um clube hebraico. Falo do que causa maior estranheza: fazê-lo sob aplausos, sobretudo quando diz que foi pai de uma mulher porque fraquejou ou ao dizer que negros quilombolas não servem nem para reproduzir. Logo ali - no clube da comunidade religiosa de um povo que sofreu ações de extermínio exatamente por pensamentos e discursos como esse - a violenta intolerância pôde ser ouvida... e aplaudida! Parece muito estranho que o neonazista brasileiro, sem cultura e sem história, tenha sido chamado…
Read More
Medina Osório, presidente do IIEDE, em O Globo: “Delações Premiadas”

Medina Osório, presidente do IIEDE, em O Globo: “Delações Premiadas”

Artigos, Em Destaque
Confira abaixo o artigo "Delações premiadas", de autoria de Fábio Medina Osório, presidente executivo do IIEDE, e publicado na edição de quinta-feira (13/04) das páginas de Opinião de O Globo: Delações premiadas As delações não deveriam beneficiar o topo da pirâmide das organizações criminosas, mas suas bases POR FÁBIO MEDINA OSÓRIO 13/04/2017 0:00 A colaboração premiada é um meio de prova pelo qual o investigado, denunciado ou até mesmo o réu condenado, ao prestar suas declarações em acordo com autoridade policial ou do Ministério Público, e após homologação judicial, auxilia a Justiça e, em contrapartida, recebe benefícios legais. Para que a palavra de uma pessoa seja aceita como apta a ser meio de prova, ela precisa estar dotada de verossimilhança. Quando a iniciativa parte da autoridade policial, o Ministério Público deve…
Read More

Investimento Direto Estrangeiro e Sustentabilidade: Interação, Efetividade e Impacto de Políticas Ambientais no Fluxo de Capital Externo

Artigos
Leia abaixo artigo do Dr. Vinícius Diniz Vizzotto, Mestre em Direito Internacional Econômico pela UFRGS, denominado "Investimento Direto Estrangeiro e Sustentabilidade: Interação, Efetividade e Impacto de Políticas Ambientais no Fluxo de Capital Externo". [pdf-embedder url="http://www.iiede.com.br/wp-content/uploads/2015/05/RDE-43_DT.pdf"]
Read More

As partes, a causa de pedir e as provas na Lei Anticorrupção

Artigos
A Lei  12.846/2013, também denominada de Lei Anticorrupção, dispõe a respeito da responsabilização administrativa e civil de pessoas jurídicas pela prática de atos contra a administração pública, nacional ou estrangeira. Ao lado de outros dispositivos contidos no Código Penal, na Lei de Ação Popular (4.717/65), na Lei de Licitações (8.666/93) e na Lei de Improbidade Administrativa (8.429/92), por exemplo, os dispositivos da Lei Anticorrupção compõem um microssistema normativo voltado à tutela da administração pública, de seu patrimônio e dos princípios que a informam. O debate em torno do reconhecimento da pessoa jurídica como centro de imputação de responsabilidade não é estranho ao direito. Uma das ciências jurídicas que mais tem se dedicado ao estudo desse tema nos últimos anos é o Direito Penal. Um grupo cria um ambiente, que pode…
Read More

A Coerência da Presidente

Artigos
Numa real democracia, o respeito às opiniões divergentes é um direito fundamental, pois, no dizer de John Rawls,  “teorias não abrangentes” podem conviver, apesar de suas diferenças, o que não ocorre com as “teorias abrangentes”, próprias das ditaduras, em que se impõe uma única visão política a ser seguida por todos. Não no seu mais conhecido livro (Uma teoria da Justiça), mas na obra “Direito e Democracia”, desenvolveu o tema de que todas as teorias impositivas que não permitem diálogo conformam ideologias totalitárias e não são democráticas. Respeito, como eleitor e cidadão, as posições da presidente, que, em sua juventude, foi guerrilheira na companhia de muitos outros, alguns treinados em Cuba, e mesmo terroristas, pois lançaram bombas em “shoppings”, matando inocentes. Um de seus amigos mais íntimos e meu amigo,…
Read More

Fábio Medina Osório: O limite dos interesses

Artigos
Deve-se prestar atenção à lei 12.813, de 16 de maio de 2013, que regula cenários de potenciais conflitos de interesses envolvendo ocupantes de cargo ou emprego no Poder Executivo federal, os requisitos e restrições a ocupantes de cargo ou emprego que tenham acesso a informações privilegiadas, os impedimentos posteriores ao exercício do cargo ou emprego e as competências para fiscalização, avaliação e prevenção de conflitos de interesses.   O legislador federal avançou fortemente na proteção da ética pública e dos princípios insculpidos no artigo 37 da Constituição, combatendo a patrimonialização das funções públicas e a formação de ambientes propensos à promiscuidade e à corrupção. Mas é importante ter cautela com essa tendência de aumento do espectro sancionatório dos tentáculos estatais, na medida em que pode traduzir novos espaços para corrupção,…
Read More

Álcool, tolerância zero e Constituição.

Artigos
Reza o artigo 5º, inciso VI, da Constituição Federal que "é inviolável a liberdade de consciência e de crença, sendo assegurado o livre exercício dos cultos religiosos e garantida, na forma da lei, a proteção aos locais de culto e a suas liturgias".   É do conhecimento geral que a religião católica apostólica romana tem a missa como centro de sua liturgia e, nesta, o momento mais solene é o da consagração das espécies, em que, pela transubstanciação, o pão e o vinho se transformam no corpo e no sangue de Cristo, sem alteração das espécies.   O gesto de Cristo, na última Ceia antes do martírio do julgamento, via crucis, calvário e cruz, é renovado há dois mil anos pelos sacerdotes ordenados, que ingerem o vinho transubstanciado em pequena…
Read More

Concursos públicos

Artigos
A realização de concursos públicos deve obediência aos princípios constitucionais que presidem a administração de quaisquer dos Poderes da República, relacionando-se diretamente com o art. 37, caput, da Constituição de 1988. Atos normativos não podem contrastar ditames legais específicos, eis uma primeira e fundamental premissa nem sempre observada pelos administradores públicos. O edital não pode contrariar legislação em pontos tratados expressamente pelo legislador. Para além disso, no entanto, é necessário observar uma série de regras decorrentes dos princípios da impessoalidade, moralidade, eficiência e isonomia, todos previstos na Constituição Federal. Veja-se que não é possível, por força dos aludidos princípios, formular questionamentos não contemplados nas matérias e nos programas traçados nos editais. Tampouco resulta lícito formular questionamentos ambíguos, que gerem perplexidade e dúvida nos candidatos. O ideal é que haja prévia…
Read More

Juízes não devem suprir lacunas de acusadores

Artigos
  O julgamento da Ação Penal 470 ainda será motivo de muitas reflexões, inclusive no âmbito da teoria do Direito e da sociologia dos tribunais. Cabe ao Judiciário escutar as “vozes da rua” para decretar a responsabilidade penal de alguém? Se este for um dos reflexos do julgamento do mensalão, penso que se trata de um reflexo negativo. Nenhum julgador pode invocar a opinião pública como balizador de suas convicções.   A exposição do STF em seu canal de TV e do próprio julgamento pode ser considerada um avanço da nossa democracia, em termos de transparência e controle externo. Mas tal exposição não pode servir como pressão contra a consciência dos julgadores. Por isso mesmo suas garantias constitucionais e institucionais são tão relevantes.   Há uma garantia maior, que é…
Read More